Publicado em

Planetery: Livro Um

De Warren Ellis e John Cassaday
432 páginas
Panini Comics | 2019
Tradução: Eduardo Tanaka e Érico Assis

Planetary é uma das leituras mais complexas que já fizemos. A obra de Warren Ellis com arte de John Cassaday foi um grande marco nos quadrinhos, apresentando uma história ambiciosamente cheia de camadas, com várias referências. O que estimula o leitor a pensar, pensar e pensar sobre o que acabou de ler.

Publicada entre 1998 e 2009, a HQ acompanha uma organização secreta intitulada Planetary, que viaja ao redor do mundo investigando fenômenos estranhos. A cada capítulo inúmeras referências são jogadas ao leitor, embora muitas delas não sejam tão claras. Talvez, a forma como tudo coexiste seja maior mérito da obra. Ellis pega referências de diversos gêneros possíveis e, de certa maneira, esses elementos funcionam no mesmo mundo, naturalmente. A dinâmica dos três personagens principais é muito bacana e o mistério ao entorno de Elijah Snow instiga o leitor.

As ilustrações de John Cassaday são incríveis. Os painéis criativos em cada capítulo comprovam o quanto foi acertada a escolha de ter o ilustrador como parte da equipe criativa da obra. Destaque também para as cores de Laura Martin e David Baron.

Definitivamente, Planetary não é uma obra fácil, a história não é contínua, às vezes o capítulo seguinte não tem vínculo com o capítulo anterior, apesar de tudo se conectar aos poucos. Sentimos falta de notas explicativas sobre algumas referências e contextos nos extras preparados pela editora Panini, ao fim da HQ. Para nós, a obra funcionou melhor após ouvir o programa especial que o quadrinho ganhou na edição 99#, do podcast Confins do Universo.

Pela complexidade do gibi, essa é uma obra que merece ser lida outras vezes, para absorver mais e mais seu conteúdo. E, quem sabe, daqui um tempo não teremos uma outra opinião sobre esse clássico moderno dos quadrinhos.

Publicado em

Planetary: Livro Dois

De Warren Ellis e John Cassaday
440 páginas
Panini Comics | 2019
Tradução: Eduardo Tanaka e Érico Assis

Mantemos a nossa opinião, após ler o segundo volume de Planetary, de Warren Ellis e John Cassaday: esta é uma leitura complexa, uma HQ que exige do leitor muita bagagem nos quadrinhos. Talvez, “cabeçuda” seja a palavra.

Neste volume, Elijah Snow, Jakita e Baterista continuam viajando pelo mundo para investigar acontecimentos estranhos. Como já sabemos que o autor insere inúmeras referências da cultura pop na obra, conforme passávamos as páginas, tentávamos ir decifrando o que cada elemento ou personagem simbolizava ali.

O roteiro de Ellis é desafiador para o leitor, ele não entrega nada “de mão beijada”. É necessário ir juntando as peças aos poucos. As ilustrações de Cassaday são um grande destaque na série, ele destila estilos diferentes pelos capítulos e mostra toda sua versatilidade.

Planetery é uma série interessantíssima. Daqui a alguns anos, nossa vontade é de reler para que seja possível assimilar todas as abordagens e interpretações.